Bem-estar animal também é assunto para carnívoros

de 09/02/21 em Feng Shui da Vida Real
Foto: Pixabay

Quando pensamos em detox, geralmente focamos no corpo e para muitos, o objetivo é perder peso.

Mas vai muito além e diz respeito a mudanças de hábitos que vão levar a uma vida mais saudável. Em vários níveis e em várias áreas. 

Enquanto muitos consumidores já se preocupam com a origem dos alimentos que consomem, buscam orgânicos, evitam o desperdício e tentam manter hábitos alimentares saudáveis, um aspecto geralmente não é considerado: o bem-estar dos animais.

Pecuária intensiva e fazendas industriais mantém grande número de animais confinados a fim de maximizar a produção ao menor custo possível.

Isso significa condições de vida precárias, gerando sofrimento aos animais, em ambientes propícios a doenças, o que leva ao uso de antibióticos que depois serão consumidos pelas pessoas.

Quem não se impressiona com o confinamento e as consequencias desse tipo de negócio, pois acredita que a função dos animais é essa mesmo, a de servir de alimento para os seres humanos, poderia começar refletindo nos ambientes insalubres e na grande quantidade de remédios e hormônios para acelerar o crescimento acaba indo parar no seu prato.

Portanto mesmo quem se preocupa com a própria saúde e despreza o sofrimento dos animais, acaba sendo impactado pelo modelos dessas fazendas.

Ou seja, não importa de que lado a questão é analisada, ela diz respeito a você.

Há ainda o aspecto energético, vindo de alimentos gerados em atmosfera de estresse e sofrimento. Soma-se a isso a crueldade como animais são abatidos e o desespero que muitos demonstram quando percebem o que irá acontecer. 

Além de consumir hormônios, antibióticos, a carga energética do seu prato vai tornando suas refeiçõs cada vez piores.

Como alguém que se preocupa com a própria saúde pode considerar saudável se alimentar dessa maneira?

Portanto, carnívoros, bem-estar animal também é assunto para vocês.

Como em várias outras discussões, tendemos a escolher um dos extremos, deixando no meio um vácuo que poderia ser preenchido por discussões mais produtivas, pontos de vista que levassem em consideração diferentes necessidades, mas que tudo tivesse um objetivo em comum.

Digo isso porque é comum escutar o discurso do vegano radical ou do comedor compulsivo de carne que não quer nem tocar no assunto do manejo consciente dos animais.

Um ataca o outro e parece que o verdadeiro foco da discussão se perde para ficar apenas na questão de quem ganha ou quem perde na argumentação.

O fato é que pequenas mudanças na maneira como consumimos pode causar grandes mudanças na vida de bilhões de animais criados de maneira industrial. 

Mudamos a vida dos animais, impactamos positivcamente nossa saúde e ampliamos os caminhos para provocar a mudança em instâncias maiores.

Existem diversas empresas e entidades que vem monitorando as condições de criações dos animais e sugerindo a adoção de práticas mais sustentáveis e saudáveis.

Um dos projetos que monitora o bem-estar animal nos negócios de diversas empresas, o Business Benchmark on Farm Animal Welfare, estabelece algumas metas e desde 2012, quando foi criado, viu o número de empresas do setor alimentício preocupadas em atender a essa demanda dos consumidores aumentar.

Das 150 empresas analisadas em 2019, 59% possuiam departamentos destinados a adotar práticas mais sustentáveis e de bem-estar animal. Há sete anos, esse número era de 22%.

Setenta e cinco por cento estabeleceram metas para melhorar o bem-estar animal. Mas o projeto diz que ainda é muito difícil medir esses passos e verificar como as políticas estão sendo de fato colocadas em prática.

As metas estabelecidas pela entidade são:

1 – Sem gaiolas ou outras estruturas de confinamento

2- Ambiente interno enriquecido

3- Ambiente externo melhorado

4- Alimentação via pasto

5- A vida toda na mesma fazenda

No Brasil, a organização Certified Humane monitora empresas que adotaram práticas para bem-estar de suas criações. Além de buscar o selo nas embalagens, é possível pesquisar empresas e produtores no site Certifiedhumanebrasil.org

Quem quiser ir além, pode se juntar a um movimento que vem ganhando força aqui nos Estados Unidos: o detox de produtos de fazendas industriais. A proposta é ficar uma semana sem consumir alimentos de origem animal desses locais e demonstrar o engajamento e apoio usando #factoryfarmdetox

A iniciativa foi da Aspca – American Society for the Prevention of Cruelty to Animals, entidade de proteção e defesa dos direitos dos animais, com sede em Nova York.

Vamos aderir e refletir? 

#factoryfarmdetox

#weareanimalpeople #shopwithyourheart #factoryfarmdetox

Você se relaciona com seus antepassados?

de 30/10/20 em Feng Shui da Vida Real

Felizmente no Ocidente temos mudado a maneira como nos relacionamos com os antepassados. 

Com o crescimento no número de pessoas interessadas em conhecer e praticar religiões ou filosofias antigas, aprendemos a manter um relacionamento com os que já partiram ou, na maioria das vezes, começar uma relação, incluindo com aqueles que jamais chegamos a conhecer ou a saber o nome.

Não, não é conversa para loucos.

Enquanto todas as religiões ensinam a se relacionar com espíritos, energias, divindades, desperdiçamos uma ajuda preciosa, que está muito mais próxima do que imaginamos!

Quanto mais começamos a explorar as leis espirituais, mais percebemos que elas se parecem com as leis do mundo físico. 

Isso significa que em vez de rezar para Buda, experimente conversar com a sua avó, com quem você tinha um excelente relacionamento. Reze para ela, peça bênçãos para seus projetos, conte como vai a sua vida. 

Pra deixar o exemplo mais claro: se você tiver algum problema, vai pedir ajudar para seu pai ou vai tentar conversar com o prefeito da sua cidade, ou com o presidente do seu país? 

É exatamente o mesmo raciocínio que devemos ter quando pensamos em pedir ajuda em outros planos.

Cresci vendo pessoas se debulharem em lágrimas quando algum ente querido morria e depois novamente no Dia de Finados e, para mim, nada daquilo fazia o menor sentido. Eu pensava, pra quê tanto choro em apenas um dia no ano e no resto, nada?

Eu ouvia pessoas falando sobre a saudade que sentiam, sobre a dor da perda, mas ainda não me sentia convencida. 

Apesar de conceitos como ‘vida eterna’, ‘evolução espiritual’, ‘ir para uma dimensão melhor’, e várias outras coisas faladas sobre a etapa após a morte, a maioria ainda associa a morte a algo ruim, e os sentimentos que derivam da experiência são dor, sofrimento, arrependimento, entre outros pensamentos e sentimentos que não trazem conforto.

Na Índia, quando fui praticar ensinamentos ancestrais na 0&O Academy, descobri que todas as práticas falavam em relacionamentos. Que o indivíduo precisa ter um relacionamento com Deus ou com seu próprio divino, que esse relacionamento precisa ser pessoal, e que precisamos nos relacionar com os nossos antepassados.

Um dos rituais mais importantes é um para liberação dos antepassados, quando rezamos para liberar entes queridos de traumas, dores ou de outras situações que atrapalhem seus caminhos.

É exatamente igual acontece na nossa vida, aqui mesmo no planeta Terra. Imagine uma pessoa presa a uma situação, culpando todos os emais acontecimentos da vida, por conta de uma questão específica? A vida não anda, certo? O mesmo acontece em outros planos.

Além disso, ensinam as práticas antigas da Índia, questões que impactam a existência dos seus antepassados, impactam a sua vida. Bloqueios em áreas, falta de sorte, situações que se repetem apesar do esforço para mudá-las, tudo isso pode ter começado em alguém na sua árvore genealógica.

Rituais para honrar os antepassados estão presentes em religiões orientais, nas práticas de povos como os índios. Mais recentemente, a filosofia de Constelação Familiar, criada pelo alemão Bert Hellinger, traduziu para o ocidente o que já se sabia há muito entre os povos antigos.

Hoje temos a tendência em pensar que porque estamos evoluindo tecnologicamente, que podemos deixar tradições para trás, mas saiba que começar ou manter um relacionamento com seus antepassados é uma das tecnologias mais poderosas que existem.

Por isso, no dia dedicado a lembrar dos que já foram, pense em criar um relacionamento com seus antepassados. Se já tiver um, pense em como pode aprofundá-lo.

Não precisa pensar muito ou aprender nenhum ritual para fazer isso. Se na sua família já é comum alguma prática, faça. Aqui na minha casa, eu mantenho um pequeno altar e tenho hábito de oferecer flores, às vezes até comida. E de vez em quando até um vinhozinho, por que não? O modo não importa, o que mais interessa é a própria intenção.